Analisando o ambiente tecnológico no qual estamos inseridos, rodeados e amparados por um exército de máquinas e aparelhos em detrimento das ações manuais de coração e de humanização tão necessárias à disseminação do amor, recorro a uma “oração” – com o perdão da palavra – que ouvi em um passado não muito distante, lá no interior do meu lugar, dita por um senhor simples, do povo,…

Você se interessou por este conteúdo?

Seja nosso convidado.

É só usar as chaves para abrir até
5 conteúdos por mês.
QUERO ASSINAR

Navegue pelo assunto:

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários