Num gesto louvável de reverência à potência estética e de respeito a revezes políticos da História, a cineasta argentina Lucrecia Martel, presidenta do júri do 76º Festival de Veneza passou por cima de preconceitos e patrulhamentos, concedendo o Leão de Ouro de 2019 a um filme derivado das HQs: “Coringa”, de Todd Phillips. Festejado como obra-prima em sua passag...

Você se interessou por esta matéria?

Assinar o Jornal do Tocantins

Você terá acesso ilimitado
a todo o conteúdo
VER PLANOS

Navegue pelo assunto:

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários