Magazine

Com rosto ‘espancado’, jovem faz protesto contra funk "Surubinha de Leve", de MC Diguinho

"Sua música é baixa ao ponto de me tornar um objeto despejado na rua", criticou a jovem

Foto: Reprodução/ Facebook

Um funk que promete ser um dos hits do carnaval 2018, tem causado uma discussão muito séria no meio digital, após várias mulheres entenderem que trechos da música fazem apologia ao estupro. “Taca bebida, depois taca pica e abandona na rua”, diz estrofe da música “Só Surubinha de Leve”, de MC Diguinho. 

De Norte a Sul do País, diversas são as manifestações contra a música de MC Diguinho. O depoimento da jovem Yasmim Formiga, de João Pessoa (PB), é um dos que mais chama atenção.

Em sua conta no Facebook, a jovem aparece maquiada como se tivesse sido espancada, tendo nas mãos um cartaz com um trecho da música do funkeiro. “Sua música ajuda para que as raízes da cultura do estupro se estendam. Sua música aumenta a misoginia. Sua música aumenta os dados de feminicídio. Sua música machuca um ser humano. Sua música gera um trauma. Sua música gera a próxima desculpa. Sua música tira mais uma. Sua música é baixa ao ponto de me tornar um objeto despejado na rua”, lamentou Yasmim na rede social.

A publicação já soma mais de 127 mil compartilhamentos, além de 1,2 mil comentários que se dividem entre os que apoiam a manifestação da jovem e os que acham que ela está polemizando.

No entanto, a revolta com o conteúdo da música não é em vão. De acordo com o Fórum Brasileiro de Segurança Pública, 135 casos de estupro foram registrados por dia no Brasil só em 2016.

Comentários
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.
ASSINE JÁ