O Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Tóquio 2020 nomeou nesta quinta-feira (18) Seiko Hashimoto como a nova presidente da instituição. Ela vai substituir Yoshiro Mori, que renunciou na última semana depois de sofrer pressão por declarações sexistas.

Depois da renúncia de Mori, Toshiro Muto, presidente-executivo do comitê, anunciou que o novo nome seria escolhido por uma equipe composta por metade de homens e metade de mulheres.

Para assumir a posição, Seiko pediu demissão dos 2 cargos que acumulava: de ministra do gabinete japonês das Olimpíadas e de ministra da igualdade de gênero.

Seiko participou dos Jogos Olímpicos de verão e inverno nos anos de 1980 e 1990, competindo em ciclismo e patinação de velocidade. Ganhou medalha de bronze na competição de patinação de velocidade de 1.500 metros nas Olimpíadas de Inverno de 1992.

Ela está do mundo da política desde 1995, quando começou a atuar na Câmara Alta do Parlamento do Japão. Seiko é membro do Partido Liberal Democrático, o mesmo do qual faz parte primeiro-ministro, Yoshihide Suga.


RENÚNCIA DE MORI

Yoshiro Mori renunciou ao cargo na última 6ª feira (12.fev.2021) depois de ser criticado por fazer comentários sexistas. Ele falou, por exemplo, que as mulheres falam demais e que reuniões com várias mulheres podem levar muito tempo, o que era “irritante”.

O comitê, responsável pela seleção dos atletas olímpicos japoneses, estabeleceu em 2019 a meta de ter um conselho formado por, no mínimo, 40% de mulheres.

Ao ser indagado sobre isso, em 3 de fevereiro, Mori disse: “Se aumentarmos o número de mulheres no conselho, precisamos garantir que o tempo de uso da palavra seja um pouco restrito, elas terão dificuldade em parar [de falar], o que é irritante”. E completou: “Temos 7 mulheres no comitê organizador, mas todas entendem seus lugares”.

Os comentários desencadearam uma onda de protestos, que culminaram em sua renúncia.

Mori é conhecido no Japão por uma série de gafes e declarações pouco diplomáticas que fez durante o mandato como primeiro-ministro, de 2000 a 2001.