Pelo sexto ano seguido os africanos dominaram a Corrida Internacional de São Silvestre, ontem, e não deixaram os brasileiros sequer perto do lugar mais alto do pódio. A queniana Jemima Sumgong foi a vencedora na prova feminina e o etíope Leul Aleme foi o campeão no masculino.

Sumgong não deu chances para as suas adversárias e quebrou o recorde que pertencia à também queniana Priscah Jeptoo desde 2011. Com o tempo de 48min 35s, chegou 20 segundos na frente da segunda colocada Flomena Cheyech e baixou em 13 segundos a marca.

“Não pensei em quebrar o recorde. Vim forte para ganhar e para mim foi uma surpresa quando vi que havia batido o recorde”, afirmou.

Eunice Cehbicii (50min 26s), do Bharein, fechou o ranking das três primeiras colocadas. Antes de faturar a sua primeira São Silvestre, Jemima Sumgong atingiu o auge de sua carreira em agosto de 2016, no Rio de Janeiro. “O Brasil está no meu coração. Vim aqui e ganhei os Jogos Olímpicos do Rio e agora venci aqui [EM SÃO PAULO]. Sempre será um prazer estar no Brasil”, justificou.

Diferentemente da prova feminina, a corrida masculina foi disputada até a reta final. Com apenas dois segundos de diferença para Dawit Admasu (44min 55s), Leul Aleme foi o campeão graças a uma arrancada nos últimos 300m na Avenida Paulista. O queniano Stephen Kosgei (45min) fechou em terceiro. O brasileiro Giovanni dos Santos (45min 30s) ficou na quarta colocação. Giovani por pouco não conseguiu desbancar seus adversários. Ele liderou alguns momentos da prova, mas faltou fôlego.

Feminino

1ª Jemima Jelagat (QUE) – 48min35s

2º Flomena Cheyech (QUE) - 49m14

3º Eunice Chumba (BAH)- 50m24

Masculino

1º Leul Aleme (Etiópia): 44m53

2º Dawit Admasu (Etiópia): 44m55

3º Stephen Kosgei (Quênia): 45m00