O WhatsApp anunciou nessa quinta-feira (5) a disponibilização de uma nova função: as mensagens temporárias. Com esse recurso habilitado, todas as mensagens são apagadas automaticamente 7 dias depois de enviadas. Estará disponível neste mês em todo o mundo. A data exata não foi informada.

A função pode ser habilitada ou desativada pelo usuário nas conversas privadas ou em grupos –nesse 2º, apenas os administradores do grupo podem definir a configuração.

Há algumas limitações nessa ferramenta. Mesmo depois de se autodestruir, por exemplo, a mensagem ainda poderá ser lida por meio da pré-visualização do celular caso o receptor não tiver aberto o aplicativo desde que recebeu o texto. Se uma mensagem for encaminhada para um grupo ou conversa em que a função estiver desativada, ela permanecerá disponível mesmo que venha a se autodestruir no chat em que foi enviado originalmente.

“Queremos que as conversas no WhatsApp sejam similares às conversas que temos pessoalmente. […] Desenvolvemos uma maneira prática para apagar automaticamente as mensagens que não precisam ser guardadas para sempre“, explica o WhatsApp em seu blog.

“A princípio, as mensagens temporárias desaparecerão após 7 dias para que você ainda possa lê-las e lembrar do que estava conversando. Depois desse período, aquela lista de supermercado ou a notícia da semana passada será automaticamente apagada, já que você não precisará mais dela.”

A nova função do aplicativo é semelhante ao que o Telegram já oferece desde julho de 2017. Na opção de chat secreto do app russo, é possível determinar por quanto tempo uma mensagem estará disponível (as opções vão de 1 segundo a uma semana). Essa ferramenta impede que um dos usuários grave a tela (“tire print”) durante a exibição de uma foto ou vídeo e também alerta o participante da conversa se o outro “printar” as mensagens.

POPULARIDADE ENTRE BRASILEIROS
No Brasil, o WhatsApp está instalado em 99% dos smartphones, de acordo com uma pesquisa (4 MB) de fevereiro deste ano. Desses, 98% abrem o aplicativo todos os dias.

Já o Telegram, apesar de ter funcionalidades adicionais (tais como o navegador de internet integrado e maior capacidade de compartilhamento de arquivos), está presente só em 27% dos celulares brasileiros. A taxa, apesar de muito abaixo do concorrente que pertence ao Facebook, é o dobro do registrado pelo próprio Telegram no mercado brasileiro em 2019. Contudo, a parcela dos usuários que utliza o aplicativo diariamente caiu de 61% para 53% em um semestre.