A Agência de Defesa Agropecuária (Adapec) confirmou o oitavo caso de mormo em equídeo nesta sexta-feira, 23, em uma propriedade rural, de Muricilândia. Os outros registros da doença neste ano ocorreram nos municípios de Araguatins, Formoso do Araguaia, Dueré, São Salvador e Santa Fé. Desde que a doença surgiu em 2015, já foram identificados 44 animais positivos no Tocantins.

Conforme a Adapec, o animal positivo está isolado e passará pela eutanásia, além disso, outras medidas sanitárias também são tomadas. A informação é que esse cavalo estava em um vínculo epidemiológico, ou seja, teve contato com um animal positivo registrado em Santa Fé do Araguaia, ainda em agosto.

Prevenção

Ainda segundo a Adapec, o produtor rural deve ficar atento e realizar exame regularmente, já que não existe vacina ou tratamento para o mormo. Além disso, a validade dos exames é de 60 dias e deve ser exigida na hora da aquisição de um animal. 

Em caso, do proprietário do equídeo suspeite da infestação pela doença o primeiro passo é isolar o animal e comunicar imediatamente a Adapec. Também é preciso cuidado redobrado no manuseio desse animal suspeito, já que a doença pode ser transmitida ao ser humano. O recomendado é utilizar luvas e máscaras e evitar ao máximo contato com outros animais e humanos.