A Petrobras e o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) iniciaram estudos para estruturar um fundo de CVC (corporate venture capital) com o objetivo de apoiar micro, pequenas e médias empresas de base tecnológica.

Neste primeiro momento, a ideia é identificar setores promissores para o investimento, considerando temas relacionados à transição energética e que estejam alinhados às estratégias de longo prazo das instituições, disse a petroleira em nota divulgada nesta quarta-feira (21).

A iniciativa é uma das ações previstas em um acordo de cooperação técnica assinado em junho do ano passado para a formação da comissão mista BNDES-Petrobras.

A comissão é voltada para as áreas de óleo e gás, com foco em pesquisa científica, transição energética, descarbonização, desenvolvimento produtivo e governança. O acordo tem vigência de até quatro anos.

Conforme a Petrobras, o fundo será constituído de acordo com as normas da CVM (Comissão de Valores Mobiliários).

"O gestor será escolhido por meio de edital público, e terá independência para as decisões e investimentos, além de autoridade para agir em nome do fundo", disse a companhia.

"A tese de investimento irá abranger negócios inovadores relacionados a energias renováveis e de baixo carbono que acelerem o posicionamento da Petrobras na transição energética", acrescentou.

A petroleira prevê um montante de US$ 100 milhões (cerca de R$ 490 milhões) para a estratégia de investimentos em corporate venture capital nos próximos cinco anos, conforme o Plano Estratégico 2024-2028.

"A estruturação da governança do [fundo de] CVC e os valores a serem aportados ainda serão submetidos às instâncias internas de aprovação da Petrobras e do BNDES", afirmou a companhia