Após ofensiva da Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) para dificultar a venda dos chamados "celulares piratas", Amazon e Mercado Livre levaram o caso à Justiça na quinta-feira (4), a fim de manter a comercialização desses aparelhos. Estão em jogo multas que podem ultrapassar os R$ 50 milhões. A Anatel publicou no último dia 21 despacho decisório para coibir...

Você se interessou por esta matéria?

Assinar o Jornal do Tocantins

Você terá acesso ilimitado
a todo o conteúdo
VER PLANOS

Navegue pelo assunto:

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários