Policial e suspeito são mortos em tiroteio no centro de Paris

Fato aconteceu por volta das 16 horas (21 horas em Paris); outros dois ficaram feridos; Ministério do Interior já trata episódio como atentado terrositas

Jornal Nacional/GloboNews
Champs-Élysées foi interditada para grande operação policial

Um policial foi morto e outros dois foram feridos em Paris nesta quinta-feira (20) por um atirador.

O atirador morreu, atingido pela polícia. Não há indícios sobre a motivação do ataque, a apenas três dias das eleições presidenciais, com primeiro turno neste domingo (23).

Um porta-voz do Ministério do Interior disse que era cedo demais para especular sobre o incidente, mas disse também estar claro que policiais foram escolhidos como alvo de maneira deliberada.

Testemunhas afirmam que um carro aproximou-se dos policiais em um semáforo vermelho em Champs-Elysées, uma das áreas icônicas da capital. Um homem desceu do veículo e disparou com uma arma automática.

As autoridades isolaram o local e pediram que o público evitasse os arredores. Helicópteros sobrevoavam a cidade durante a operação.

Um grande contingente policial, fortemente armado, foi deslocado para a área, segundo agências de notícias.

O primeiro-ministro francês, Bernard Cazeneuve, dirigiu-se ao Palácio do Eliseu para se reunir com o presidente François Hollande.

ELEIÇÕES

O tiroteio coincidiu com o último debate entre os candidatos à presidência.

Caso o ataque tenha sido de autoria de uma organização terrorista islâmica, como o Estado Islâmico ou a Al Qaeda, o cenário favorece a candidata da extrema direita, Marine Le Pen, que tem um discurso baseado na aversão ao islã e aos migrantes.

Há uma disputa acirrada neste primeiro turno entre quatro candidatos. O independentista Emmanuel Macron lidera com 24,5% dos votos, seguido por Le Pen, com 21%, segundo uma sondagem desta quinta-feira.

O conservador François Fillon tem 20%, e o esquerdista Jean-Luc Mélenchon, 19%. A margem de erro é de 2,5 pontos percentuais.

O incidente desta quinta-feira é agravado pelo fato de que o governo francês havia frustrado uma tentativa de atentado na terça-feira (18), ao deter dois homens em Marselha, na costa sul.

Uma arma automática e três quilos de material explosivo foram encontrados em um apartamento na cidade, segundo a Promotoria.

Os candidatos foram alertados pelas autoridades e aumentaram a segurança em seus eventos de campanha.

A reportagem encontrou diversas barreiras policiais, por exemplo, para comparecer ao comício de Le Pen em Marselha na quarta.

A França está em estado de emergência desde 2015, após uma série de atentados terroristas. Uma das ações especialmente traumáticas deixou 130 mortos em novembro de 2015 em Paris.

Comentários
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.
ASSINE JÁ