Notícias

Liberação de defensivos é um atraso, avalia técnico

Lenito Abreu

“Eu vejo a liberação desses agrotóxicos como um atraso. O Brasil precisa avaliar o sistema e verificar quais são as nossas deficiências dentro dessa cadeia”, avaliou o diretor de Defesa, Sanidade e Inspeção Vegetal da Agência de Defesa Agropecuária do Tocantins (Adapec-TO), Carlos Barbosa.
Ele destacou que falta recursos humanos e financeiros para uma fiscalização segura, que é fundamental para a liberação desses produtos, conforme proposta do Ministério da Agricultura. “Esses produtos já foram comercializados no Brasil, mas eles oferecem riscos ao meio ambiente e à população não compensa”, ponderou.

Barbosa explicou que são produtos perigosos e depende dos fiscais estarem nas propriedades orientando os produtores sobre os riscos, como causam câncer ou provoca mutações. “Os produtores, em sua maioria, não têm essa informação, como também não usam equipamento de proteção individual. Não temos como estar em todas as localidades. Conseguimos visitar 100 fazendas, quatro em um mês e as outras propriedades como ficam?”, disse.

Para ele, a Medida Provisória liberando esses defensivos trará prejuízos, com três linhas de riscos: o meio ambiente, o aplicador do agrotóxico e a população que estará consumindo um produto que não terá a segurança necessária.
“O ideal é termos produtos cada vez mais específicos para um tipo de praga e que agridam menos o meio ambiente e a saúde humana. E não voltar um produto que já foi proibido em várias partes do mundo e de repente o Brasil aceita novamente esse produto”, destacou.

A Adapec não tem o volume de defensivos agrícolas comercializados no Tocantins, mas no ano passado 605.242 quilos de embalagens vazias de agrotóxicos foram devolvidas. Em 2015, foram 497.850 quilos. Barbosa ressaltou que 90% dos produtores rurais do Tocantins usam defensivos agrícolas. Sobre esses novos produtos serem mais atrativos, em questão de preço, Barbosa disse que não são e devem atrair mais os grandes produtores de soja, milho, arroz e trigo.

Comentários
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.
ASSINE JÁ