Notícias

Anvisa proíbe venda de paçocas goianas devido a item cancerígeno

Segundo a agência, o produto Doce de Amendoim Paçoca Rolha da marca Dicel teve resultados insatisfatórios quanto ao limite de micotoxinas

Reprodução/Internet
Paçoca Rolha - Doce de Amendoim da marca Dicel

O lote 0027 do Doce de Amendoim Paçoca Rolha, marca goiana Dicel, foi interditado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), nesta segunda-feira (20). O lote do alimento, distribuído pela Indústria e Logistica Wethonklauss Constante Ltda, excedeu o limite do teor de aflatoxinas, espécies de micotoxinas encontradas em alimentos.

De acordo com relatório do Laboratório de Análise Micotoxicológicas (LAMIC - Santa Maria/RS), foi detectado teores de aflatoxinas acima do Limite Máximo Tolerado (LMT) permitidos para amendoim com casca, descascado, cru ou tostado, pasta de amendoim ou manteiga de amendoim.

Segundo a Anvisa, aflatoxinas são substâncias tóxicas e carcinogênicas, e, por isso, produtos fora da especificação não podem ser consumidos pela população.

A interdição cautelar vale para todo o território nacional e se aplica ao lote 0027 do Doce de Amendoim Paçoca Rolha, marca Dicel, data de fabricação 18/11/2016, data de validade 18/11/2017.

A reportagem não conseguiu contato com a empresa goiana Dicel.

Propriedades terapêuticas
Resolução da Anvisa publicada hoje no Diário Oficial da União suspende todas as propagandas e publicidades que atribuam propriedades terapêuticas, de saúde ou funcionais não autorizadas aos alimentos fabricados, distribuídos ou comercializados por Kaiser Intermediação de Negócios - Eireli. As informações são da Agência Brasil.

De acordo com o texto, a empresa apresenta diversas propagandas e publicidades que atribuem propriedades terapêuticas, de saúde ou funcionais não autorizadas aos alimentos comercializados em sítios eletrônicos sob sua responsabilidade, tais como: ajudar a prevenir vários tipos de câncer; prevenir doenças do coração; retardar o envelhecimento; combater celulite e gordura; aumentar o desejo sexual e auxiliar na prevenção e combate da impotência sexual.

A Anvisa informou que não é permitido o uso de alegações terapêuticas em propagandas de alimentos. Além disso, alegações de propriedades funcionais ou de saúde, segundo a agência, somente podem ser feitas em alimentos registrados para este fim quando forem atendidas as diretrizes básicas para comprovação de propriedades funcionais ou de saúde estabelecidas na legislação pertinente.

Ainda de acordo com a publicação, a suspensão se aplica a qualquer tipo de mídia, especialmente aos sítios eletrônicos https://gojiwell.com, https://gojilipo.com.br, https://turboslim.com.br/, https://redenutri.com, https://turboslim.com.br/ e https://xtramaster.com/.

A Agência Brasil não conseguiu contato com a empresa Kaiser Intermediação de Negócios - Eireli.

Comentários
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.
ASSINE JÁ